mesa-livros-de-direito-estatueta-da-justiça-pec062019-nova-previdencia-segue-a-caminho-do-senado-federal

PEC da Nova Previdência segue a caminho do Senado Federal Em agosto, o texto da PEC 06/2019 segue para votação em 2º turno na Câmara e, caso aprovado, seguirá para a apreciação da CCJ

O texto-base da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 06/2019, da Nova Previdência foi aprovado em 1º turno pela Câmara dos Deputados, com 379 votos a favor e 131 contrários. Com isso, o texto segue para votação em 2º turno na Câmara (prevista para ocorrer em agosto, após o recesso parlamentar). Caso seja aprovada, a proposta seguirá para o Senado Federal, para apreciação pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

Dentre as mudanças propostas e validadas para o novo sistema previdenciário até o momento, destacam-se:

  • Mulheres – o tempo mínimo de contribuição para a aposentadoria no Regime Geral de Previdência Social (RGPS), passou de 20 para 15 anos.
  • Homens – o tempo mínimo de contribuição para a aposentadoria no RGPS também foi reduzido de 20 para 15 anos. Porém, há uma diferença. Para os homens, a diminuição valerá somente para os que já estejam trabalhando quando a Nova Previdência entrar em vigor.
  • Professores – para professores da educação básica (educação infantil, ensino fundamental e ensino médio), a idade mínima para aposentadoria foi reduzida. Para homens, caiu de 58 para 55 anos e para mulheres, de 55 para 52 anos.
  • Segurança pública – policiais federais, rodoviários federais, legislativos federais, civis do Distrito Federal, agentes penitenciários federais e agentes socioeducativos federais tiveram a idade mínima para aposentadoria reduzida. A mudança valerá na regra de transição para 52 anos (mulheres) e 53 anos (homens). Entretanto é necessário arcar com o “pedágio”. Esse valor equivale ao tempo faltante para atingir o tempo mínimo de contribuição na data de publicação da futura emenda constitucional.
  • Pensões – caso o beneficiário não tenha outra fonte formal de renda, a pensão por morte não poderá ser inferior a um salário mínimo.

Vale ressaltar que, de acordo com o secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, a Nova Previdência gerará uma economia de R$933,5 bi nos próximos 10 anos.

Fonte: previdencia.gov.br

Leia também: