fachada-trf4-justica-em-numeros-mostra-trf4-como-100-por-cento-eficiente

TRF4 é considerado 100% eficiente O último relatório do Conselho Nacional de Justiça traz dados que comprovam os altos índices de produtividade do Tribunal Regional Federal da 4ª Região

Com estatísticas do Poder Judiciário (referentes ao ano de 2018), o relatório Justiça em Números 2019 traz índices da Justiça Estadual, Justiça do Trabalho, Justiça Federal, Justiça Eleitoral e Justiça Militar. Divulgado no final de agosto/2019 pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), o documento mostra que o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) foi considerado 100% eficiente. Isso porque, de acordo com o Índice de Produtividade Comparada (IPC-JUS), o TRF4 apresentou os maiores índices de produtividade por desembargador e a menor taxa de congestionamento.

Confira alguns dados revelados no Justiça em Números 2019:

  • A 4ª Região (Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) foi a que mais investiu na Assistência Judiciária Gratuita (AJG);
  • Na análise do processamento eletrônico das ações, a primeira instância da 4ª Região teve 99,5% de casos novos eletrônicos e o TRF4 100%;
  • Dividindo o número total de processos baixados no TRF4 (no ano) pelo número de magistrados, chegou-se a 5.772 processos baixados por Magistrado;
  • Cada servidor da área judiciária do TRF4 baixou 267 processos (em média);
  • Os casos novos ajuizados no tribunal chegaram a 5.155 por magistrado e 239 por servidor da área judiciária;
  • O índice de processos resolvidos por conciliação chegou a 5,8% do total de decisões.
Direito Penal

Outros destaques do TRF4 no relatório relatório Justiça em Números 2019 foram os casos novos criminais recebidos e processos criminais baixados em 2018:

  • Foram 20.915 ações de casos novos criminais recebidos (o maior número entre as cinco regiões do país);
  • E o TRF4 teve tempo de tramitação de 11 meses nos processos criminais baixados (o menor tempo de todas as regiões).

Para acessar o Justiça em Números 2019 clique AQUI.

Fonte: trf4.jus.br

Leia também: